Casal que matou filha recém-nascida vai cumprir pena em regime aberto

Marcela de Souza Cardoso e Marcos Antônio Andrade da Silva assassinaram a filha em julho de 2011.

Marcela de Souza Cardoso e Marcos Andrade da Silva foram condenados pela morte da filha recém-nascida, em julho de 2011, no Bairro CPA 3. Eles foram julgados na segunda-feira (30) pelo Tribunal do Júri, presidido pela juíza Monica Catarina Perri Siqueira, da 1ª Vara Criminal de Cuiabá.

Marcos Antônio foi condenado pelo crime de ocultação de cádaver a três anos de reclusão, no regime aberto, e à pena pecuniária de 40 dias-multa. Já Marcela foi condenada a dois anos de detenção e quatro meses e dois dias de reclusão, também no regime aberto, e à pena pecuniária de 30 (trinta) dias-multa pelo crime de infanticídio (matar o próprio filho, durante ou logo após o parto) e ocultação de cadáver.

Conforme a denúncia do Ministério Público do Estado (MPE), Marcos é pai de outras duas crianças e não queria arcar com gastos de mais um filho. Ele conseguiu induzir Marcela a matar a filha recém-nascida.

Marcela teria rejeitado a gestação desde o início. Incentivada pelo marido, usou várias substâncias abortivas, mas não conseguiu imterromper a gravidez.

No dia 6 de julho de 2011, ao entrar em trabalho de parto, Marcela permaneceu em sua casa, e ao dar à luz no banheiro jogou a criança, ainda com vida, dentro do vaso sanitário, abaixou a tampa e apertou a descarga.

Após uma hora do crime, Marcela retirou a menina do vaso e notou que ela ainda estava viva, por isso, colocou papel higiênico em sua garganta causando morte por asfixia.

Após matar a recém-nascida, a mãe enrolou a menina num pedaço de tecido e a colocou em um saco plástico, que foi jogado no cesto de lixo do banheiro. Em seguida, o casal pegou o saco e jogou na lixeira do prédio.

O cadáver foi encontrado por uma mulher, que vasculhou o lixo à procura de material para reciclagem.

fonte:reportermt


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*