Estupro e assassinato de uma comediante causa revolta na Austrália

Tragédia levantou o debate sobre violência contra a mulher e culpabilização da vítima; uma em cada cinco mulheres do país já sofreu agressão

O estupro e assassinato da comediante Eurydice Dixon, de 22 anos, na última quarta-feira (13), causou indignação na Austrália, tanto por causa do crime em si quanto pela maneira com o qual foi tratado pela sociedade.

Eurydice estava no início de sua carreira como comediante na cidade de Melbourne e se apresentava em bares de comédia da cidade. Ela havia acabado de se apresentar em um bar local e estava voltando para a casa, por volta das 22h30 no horário local, quando foi atacada. Um rapaz de 19 anos é o principal suspeito e está preso.

Segundo a imprensa local, Eurydice estava a poucos metros de casa quando foi atacada e havia acabado de enviar uma mensagem a uma amiga avisando que estava chegando a salvo.

A vítima era uma defensora do feminismoe da igualdade de gênero e costumava abordar esses assuntos em seus shows. Seu estupro e assassinato reascenderam o debate no país, onde os índices de violência contra a mulhersão relativamente altos. Diversos comediantes e o público estão utilizando as redes sociais para pedir o fim da violência e a não culpabilização da vítima.

“Meu primeiro stand up foi quando eu tinha a mesma idade que Eurydice Dixon. Era sobre estar com medo de andar para casa à noite. Fazer piadas sobre isso era uma maneira de eu me sentir um pouco empoderada, em vez de pequena e assustada. Luto por essa jovem comediante, que tinha o direito de se sentir segura”, escreveu a comediante Alex Lee no Twitter.

Alex Lee

@alex_c_lee

My first stand up set when I was the same age as Eurydice Dixon, was about being afraid walking home at night. Making jokes about it was a way to feel slightly empowered instead of small and frightened. Mourning for this young comedian who was entitled to feel safe.

Uma orientação da polícia também foi alvo de crítica nas redes sociais. O recado sugeria às pessoas terem ciência do que ocorria em seu entorno e prestar atenção em suas linguagens corporais. A recomendação foi interpretada como forma de culpar a vítima por ter sido atacada.

“Por favor, gente, não a culpem por andar em um parque à noite, como é a posição padrão da nossa sociedade. Culpe o agressor. As mulheres devem ser capazes de andar em segurança em nossas ruas e parques. Descanse em paz Eurídice Dixon”, escreveu Chloe Booker.

Chloe Booker

@chloebooker

Pls people don’t blame her for walking in a park at night, as is our society’s default position. BLAME HER ATTACKER. Women should be able to walk safely in our streets and parks. Rest in peace Eurydice Dixon.

O governador de Melbourne, Daniel Andrews, escreveu: “Em poucos dias, mulheres em Melbourne farão uma vigília no Princes Park pela vida de Eurydice Dixon. Elas farão isso com a certeza de que Eurydice morreu por causa das decisões de seu agressor – não pelas suas. Elas estão certas. E precisamos aceitar esse fato também”.

Segundo a polícia, um jovem de 19 anos chamado Jaymes Todd se entregou à polícia na quarta-feira como responsável pelo  estupro e assassinato. Ele se recusou a pagar a fiança e aguarda seu julgamento marcado para 3 de outubro. Na quinta-feira (14), uma corte proibiu a divulgação de imagens do agressor. O argumento de seu advogado é de que a exposição pode coagi-lo e afetar seu depoimento.

A Austrália tem um alto índice de violência contra a mulher, segundo a comissão de direitos humanos do país. De acordo com dados do governo, uma a cada cinco mulheres já sofreram algum tipo de violência e agressão sexual a partir dos 15 anos, contra um a cada 20 homens.

Uma usuária postou uma das últimas apresentações de Eurydice:

Paula Ferrari@paulaferrari_oz

Beautiful, clever, funny Eurydice Dixon at her gig at Highlander last Tuesday. RIP.

fonte: veja


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*