Etanol de milho gera 3 mil empregos por ano e R$ 73 milhões em impostos

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Um estudo realizado pela consultoria Agroícone e pela Iniciativa para o Uso da Terra (Input) e divulgado hoje pela União Nacional do Etanol de Milho (Unem) comprova com números que o segmento deve ser encarado com bons olhos.

Divulgação

usina etanol de milho

Primeira usina de etanol de milho do Brasil, em Lucas do Rio Verde

Além de ampliar as alternativas de uso do milho produzido em Mato Grosso, a produção de etanol aquece a economia, gerando empregos e ampliando a arrecadação de tributos. Com um benefício complementar: trata-se de uma atividade ambientalmente pouco impactante.

Um estudo realizado pela consultoria Agroícone e pela Iniciativa para o Uso da Terra (Input) e divulgado hoje pela União Nacional do Etanol de Milho (Unem) comprova com números que o segmento deve ser encarado com bons olhos.

“Somos grandes produtores de milho, e não raro experimentamos a desvalorização de parte da safra devido ao déficit logístico e de armazenagem. A cadeia produtiva do etanol de milho ajuda a superar esse problema, e mais que isso: é uma importante opção de aquecimento econômico com baixo impacto ambiental”, analisa Ricardo Tomczyk, presidente executivo da Unem.

Para a realização do estudo, foi considerada como referência a planta da FS Bioenergia, localizada em Lucas do Rio Verde. A indústria produz 500 milhões de litros por ano e demanda 1,2 milhão de toneladas de milho de segunda safra.

O objetivo era analisar os impactos socioeconômicos, as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e o uso da terra quando uma indústria de etanol de milho é instalada e entra em operação.

A fase de investimento, desde o desenvolvimento do projeto até à construção da indústria, costuma levar em média dois anos. Nesse período, são gerados 8,5 mil empregos diretos e indiretos em nível nacional – dos quais 1,6 mil vagas ficam em Mato Grosso. Além disso, adiciona-se cerca de R$ 660 milhões no Produto Interno Bruto (PIB) nacional, gerando uma arrecadação de R$ 80 milhões de impostos municipais, estaduais e federais.

Divulgação

usina etanol de milho

Etanol de milho gera 3 mil empregos por ano em Mato Grosso

Já na fase de operação, os reflexos são maiores no território mato-grossense: dos 4,5 mil empregos que serão criados a cada ano, 2,9 mil ficam em Mato Grosso. Com a produção em plena carga (não somente de etanol, mas também considerando os derivados DDG, bioeletricidade e óleo de milho bruto), uma indústria injeta R$ 910 milhões na economia nacional, e R$ 716 milhões no estado. Com isso, há a arrecadação de R$ 73 milhões para os cofres públicos (R$ 41 milhões nos estaduais).

A adaptação do modelo de produção norte-americano de etanol para a realidade mato-grossense adiciona no cenário o fato de que, com a utilização de biomassa de eucalipto para produção de energia, existe um grande potencial de redução de emissões de GEE.

“Estamos bem abaixo dos patamares norte-americanos, e ‘empatamos’ com os níveis registrados na produção de etanol de cana-de-açúcar”, compara Tomczyk. O etanol de milho gera no mínimo 71% menos gases estufa se comparado com a gasolina, por exemplo.

“Os números nos permitem afirmar que a cadeia produtiva do etanol de milho deve ser fomentada em Mato Grosso, não apenas por ser uma alternativa atrativa economicamente, mas também pela sustentabilidade do modelo”, observa Marcelo Moreira, pesquisador e sócio da Agroícone.

Atualmente, há quatro usinas de etanol de milho em operação em Mato Grosso. Três delas adotam o sistema “flex” (usando não apenas milho, mas também cana-de-açúcar como insumo). A FS Bioenergia é a única planta em operação que produz exclusivamente a partir de milho. Mais três plantas estão em instalação e pelo menos outras três em fase de projeto. A estimativa é da Unem.

fonte: portal mato grosso


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*