Famílias do MST são retiradas de área da Prefeitura de Jaciara (MT) após determinação da Justiça

Ao todo, 400 famílias devem deixar área ocupada desde 2015. A prefeitura alega que área ocupada é destinada à construção do Distrito Industrial.

Trabalhadores estão na área há mais de um ano (Foto: Drone Jaciara)

Trabalhadores estão na área há mais de um ano (Foto: Drone Jaciara)

Aproximadamente 400 famílias que fazem parte do Movimento Sem Terra (MST) foram retiradas de uma área que pertence à prefeitura de Jaciara, a 143 km de Cuiabá, nesta segunda-feira (02). A retirada foi feita após determinação da Justiça.

Ao G1, o prefeito Abduljabar Galvin Mohammad (PSDB), alega que área ocupada é destinada à construção do Distrito Industrial do município.

Segundo um dos coordenadores do movimento, Vanderly Scarabeli, algumas famílias já se retiraram da área e outras, não têm para onde ir.

As lideranças querem que o prefeito, peça a suspensão da decisão para que as famílias tenham tempo de ir para outra área apontada pelo Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

A prefeitura, por outro lado, alega que a determinação judicial foi emitida há mais de três meses. Ainda segundo Abduljabar, o local onde os trabalhadores rurais estão foi cedida em 2015, pelo gestor anterior, com o compromisso de que os “sem terra’ saíssem em um ano.

Área onde é feita a reintegração de posse (Foto: Vanderly Scarabeli/MST)

Área onde é feita a reintegração de posse (Foto: Vanderly Scarabeli/MST)

A prefeitura afirma que ofereceu uma área conhecida como “Buritis”, onde já houve um acampamento do MST, mas os coordenadores do movimento rejeitaram.

Já Vanderly afirmou que a terra proposta pela administração municipal é infértil e as famílias não têm condições de produzir para subsistência.

Ainda de acordo com a lideranças do movimento, o Incra acompanha a situação e nesta semana os órgãos envolvidos devem se reunir para destinar outro local para o acampamento dos trabalhadores.


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*