Janaina Paschoal: “Ando preocupada com as decisões de Bolsonaro no combate à corrupção”

Uma das estrelas eleitas há um ano pelo PSL ergue a bandeira das candidaturas avulsas, mas diz que, “por ora” não sairia da sigla, deixada pelo presidente e envolta em escândalos. Ela diz que votaria novamente em Bolsonaro, mas critica o pacote anticrime: “ficou muito ruim”

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL), durante sessão na Assembleia Legislativa de São Paulo ALESP.

MARINA ROSSI

Ao avaliar seu primeiro ano à frente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Janaina Paschoal (PSL), a deputada estadual mais votada da história e um dos nomes que chegou a ser cogitado para a vice-presidência de Jair Bolsonaro, elenca seus feitos com destaque para a sua defesa de candidaturas sem partidos. “Foi um primeiro ano bem ativo, organizei várias audiências públicas, sobre candidaturas avulsas, sistema prisional, alternativas para o minhocão e Telemedicina”, disse ao EL PAÍS, por e-mail, no final de 2019. A advogada que escreveu o impeachment de Dilma Rousseff e se elegeu defendendo a bandeira anticorrupção diz que, apesar das suspeitas de desvios de verba partidária de seu partido, não pretende trocá-lo, por enquanto, e segue na defesa do Governo Bolsonaro, menos quando o assunto é corrupção. “Ando preocupada”, afirma. Para ela, o ideal seria poder se candidatar de maneira avulsa. “Eu não me prendo a partidos, só me filiei a um porque a lei exige”, disse. “Por ora, fico no PSL. Se a sigla se unir a alguma outra, muito provavelmente, eu saio”, afirma.

Janaina Paschoal: “Alguns bolsonaristas são tão cegos quanto todos os petistas”Alexandre Frota: “Quando falava da esquerda, era ‘o cara’. Agora, me dizem: ‘Está louco”MP investiga se loja de Flávio Bolsonaro era usada para disfarçar dinheiro de ‘rachadinha’

Em abril deste ano, em entrevista ao EL PAÍS, a deputada já havia feito suas críticas ao PSL, mas foi categórica ao afirmar que não tinha planos de deixar a legenda, que se desmantela aos poucos. “Sustentei, perante o STF, a necessidade de se admitirem as candidaturas avulsas, já em 2020”, reforçou. O tema defendido pela deputada foi discutido em uma audiência pública convocada pelo Supremo Tribunal Federal no ano passado. A expectativa do ministro Luís Roberto Barroso é que o processo que pode liberar as candidaturas avulsas seja encaminhado para o plenário ainda no primeiro semestre deste ano —mas não há qualquer expectativa de que possa valer para a próxima eleição.

O partido que elegeu a segunda maior bancada de deputados federais da Câmara, perdendo somente para o PT, hoje atravessa um período amargo. Em apenas um ano, foi do auge à bancarrota: as investigações sobre um possível esquema de candidaturas laranja que envolve o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, além do fundador e presidente do partido, o deputado federal Luciano Bivar (PE), manchou a bandeira anticorrupção erguida pela maioria de suas estrelas. O deputado Alexandre Frota (SP), um dos surfistas da onda bolsonarista e que forma o time dos deputados mais votados do país, foi expulso do PSL em agosto, após sucessivas críticas públicas a Bolsonaro e seus filhos. A convite do governador de São Paulo João Doria, filiou-se ao PSDB na sequência.

Em novembro, foi a vez de Jair Bolsonaro assinar sua desfiliação, menos de dois anos depois de se filiar, com a promessa de fundar uma nova sigla, a Aliança pelo Brasil. Sua presença no PSL tornou-se insustentável depois que ele criticou publicamente o partido, dizendo que Luciano Bivar estava “muito queimado”. A crise, que já rondava o alto escalão do PSL, estabeleceu-se de vez. Nem mesmo o PT, conhecido por sua pluralidade e divergências internas, ensaiou algo parecido.

Mas a lista dos aliados que se tornaram desafetos seguiu, passando pela deputada federal mais votada do país, Joice Hasselmann (SP), que deixou o papel de líder do Governo na Câmara e se afastou do presidente. Dos principais articuladores de Bolsonaro no Congresso, só dois continuam ao lado do Planalto: os líderes do Governo na Câmara, major Vitor Hugo (PSL-GO), que substituiu Hasselmann; e no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). Todos os outros deixaram de trabalhar com o presidente. Isso sem mencionar Gustavo Bebianno, braço direito de Bolsonaro durante a campanha presidencial e um dos primeiros a ser colocado de escanteio. Hoje, é presidente municipal do PSDB no Rio de Janeiro e potencial candidato na eleição municipal.

Crítica ao PSL, Janaina Paschoal, entretanto, segue firme na defesa de Bolsonaro. Longe das articulações de Brasília e prometendo, sucessivas vezes, que não será candidata à Prefeitura de São Paulo neste ano, a deputada avalia positivamente o primeiro ano do mandato de Bolsonaro. “Houve avanços na economia, ele está quebrando paradigmas no aparelhamento da esquerda nas mais diversas searas”, disse. “Se a eleição fosse hoje, votaria nele novamente”, disse. A deputada, contudo, faz ressalvas em relação às medidas anticorrupção tomadas por ele. “Ando preocupada com as decisões dele na seara do combate à corrupção. Esse pacote anticrime ficou muito ruim”, disse, sobre o pacote sancionado no dia 24 de dezembro por Bolsonaro, que vetou 25 itens do texto aprovado pela Câmara. A maior crítica da deputada foi pela manutenção do juiz de garantias, uma emenda do deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) que determina que cada processo penal seja acompanhado por dois juízes, um de garantias, que atua na fase de investigação com o objetivo de assegurar que ela foi feita de acordo com as regras legais, e o outro para dar a sentença final.

Além disso, Paschoal reconhece que o caso de Flavio Bolsonaro (sem partido-RJ), investigado, entre outros processos, pelo esquema derachadinhas —em que servidores empregados no gabinete devolviam parte do salário—, é um dos pontos sensíveis para o presidente. “O caso do filho [Flávio Bolsonaro] atrapalha muito, pois as pessoas não conseguem dividir. O importante é que seja apurado e que haja as devidas punições”, diz. “Aliás, isso deveria ocorrer com os demais parlamentares da Alerj [Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro], apontados como autores de rachadinha, inclusive o presidente, que é do PT”, afirma. Ela se refere ao deputado André Ceciliano (PT), que, assim como Flávio Bolsonaro, teve movimentações financeiras atípicas detectadas.


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*