Montador de móveis acha mais de R$ 1 mil em porta de banco e devolve dinheiro em Mato Grosso

Montador de móveis que encontrou dinheiro perdido em banco e devolveu (Foto: TVCA/Reprodução)

Montador de móveis que encontrou dinheiro perdido em banco e devolveu (Foto: TVCA/Reprodução)

O montar de móveis, Valdinei Martins de Lima, encontrou uma bolsa contendo R$ 1.050 em uma agência bancária, na quinta-feira (12), em Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá. Apesar da sorte, ele resolveu devolver o valor encontrado para um funcionário do banco, pensando que o dono, poderia voltar para buscar.

No mesmo dia, uma mulher procurou o gerente do banco para dizer que havia perdido todo o dinheiro sacado horas antes.

Os servidores imprimiram um extrato da conta da mulher e comprovaram que o valor retirado era o mesmo que Valdinei havia encontrado.

A mulher recuperou a quantia que havia perdido e o montador, diz ter ficado contente em ajudar.

“Outro dia estava conversando sobre isso com um amigo e tinha dito que se eu encontrasse algum dinheiro, não devolveria, porque se eu perdesse também não iam me devolver. Mas, quando eu abri a bolsa e vi o dinheiro, não pensei em outra coisa a não ser devolver. A consciência pesa”, contou ele.

Este não é o primeiro caso de devolução de dinheiro em Tangará. Em março deste ano, a auxiliar de serviços gerais, Maria de Fátima dos Santos, sacou o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) dela e, por um descuido do atendente, ela recebeu o dinheiro com R$ 500 a menos.

Ela diz ter ficado surpresa com uma ligação do banco, pedindo para que ela voltasse para receber o valor que havia ficado faltando.

Outro caso de honestidade

Funcionário de posto espera cliente por mais de 10 dias para devolver troco esquecido (Foto: Arquivo pessoal)

Funcionário de posto espera cliente por mais de 10 dias para devolver troco esquecido (Foto: Arquivo pessoal)

O funcionário de um posto de gasolina, Elizeu Cordeiro, de 34 anos, esperou por um cliente por cerca de 10 dias para devolver o troco que o homem havia esquecido durante um abastecimento, em Cuiabá.

“Ele pediu para abastecer R$ 40, mas quando eu peguei o dinheiro tinha R$ 50. Tentei gritar, mas ele não ouviu e saiu com o carro. Então, eu guardei o dinheiro e esperei ele voltar para devolver”, contou Elizeu.

O cliente diz ter ficado impressionado, porque ele não sabia que tinha dado dinheiro a mais.

“Ele teve me mostrar o comprovante para eu acreditar que tinha deixado o dinheiro, porque na minha cabeça, eu tinha dado R$ 40”, relatou o cliente.

De acordo com o historiador, Alfredo da Motta Menezes, a honestidade é inerente a cada pessoa de forma específica. Criação e valores passados pelos pais são importantes, mas a honestidade é nata, é individual.

Elizeu é casado, pai de duas filhas e diz que tenta passar para elas, os mesmos valores que recebeu dos pais.

“Lá [na família dos pais] é tudo certinho, tudo na ponta do lápis. Meus pais ensinaram a viver de maneira correta”, comentou.

Ele está concluindo o curso de filosofia pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e, como tema da monografia, desenvolveu um estudo só genealogia da moral.


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*