Morre Serginho, adolescente que ficou conhecido por doença rara

Sérgio Luiz Ferreira da Silva nasceu com epidermólise bolhosa, doença genética rara caracterizada por grande sensibilidade na pele.

A confirmação da morte foi feita nas redes sociais no menino.

Morreu na noite deste domingo (1º) em Cuiabá, o adolescente Sérgio Luiz Ferreira da Silva, conhecido como Serginho, de 17 anos. Ele passou mal no sábado e foi levado para o Hospital Júlio Mulher, onde foi direto para a Unidade de Terapia Intesiva (UTI). Serginho nasceu com epidermólise bolhosa, doença genética rara caracterizada por grande sensibilidade na pele.

A confirmação da morte foi feita nas redes sociais do jovem. A família anunciou a morte contando que no sábado o garoto se queixou de fortes dores no peito e tinha dificuldade para respirar. Na UTI, Sérginho recebeu várias medicações, mas nenhuma fez efeito e ele acabou não resistindo.

Além da doença rara que o jovem tinha, no ano passado ele descobriu um tumor no joelho e teve que amputar uma das pernas.

Devido à grave doença, Serginho tinha o tamanho de uma criança de 10 anos e era sustentado por meio doações de populares e empresários, já que seu tratamento sempre foi de alto custo.

Ao entrar na adolescência, ele começou a ser participativo nas redes sociais e resolveu dar palestras, mesmo em uma cadeira de rodas e com dores constantes em função das feridas por todo o corpo. Vários programas de TV contaram a sua história e o menino ficou conhecido em todo o Estado.

Ele entrou na escola aos 10 anos e estava cursando o 7° ano. Serginho também cantava numa igreja evangélica que frequentava. A mãe é quem estava com ele o tempo todo e o acompanhava nas viagens a São Paulo, onde fazia o tratamento.

O velório será nesta segunda-feira (02) na Capela Santo Antônio, em Várzea Grande. O sepultamento será às 16h, também em Várzea Grande.

fonte: reportermt


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*