Projeto que regulamenta minimercados dentro de presídios em MT é aprovado em 1ª votação

Deputados aprovaram projeto enviado pelo governo e produtos oferecidos devem ser especificados pela Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh-MT).

Reportagem feita em 2015 mostrou que mercadinhos vendiam de bolacha a isqueiros dentro de presídios em Mato Grosso (Foto: Rede Globo)

Reportagem feita em 2015 mostrou que mercadinhos vendiam de bolacha a isqueiros dentro de presídios em Mato Grosso (Foto: Rede Globo)

Os deputados estaduais aprovaram, em primeira votação, o projeto de lei que regulamenta o funcionamento dos mercadinhos dentro das unidades penitenciárias de Mato Grosso. A votação foi realizada durante sessão plenária na quarta-feira (11).

O projeto, que foi encaminhado pelo governo do estado em março deste ano, ainda deve passar por uma segunda votação antes de retornar ao Executivo.

O Projeto de Lei 21/2018 tem como objeto a gestão dos espaços destinados à venda de produtos e objetos permitidos e não fornecidos pela administração dentro dos presídios e autoriza a dispensa de licitação para a celebração do Termo de Permissão de Uso desses espaços com os Conselhos da Comunidade.

Conforme o governo, o Conselho da Comunidade – composto por oito membros de sete instituições – será o responsável por estabelecer regras para a venda de produtos dentro dos presídios, além de serem responsáveis pelo monitoramento e administração das cantinas.

Já a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh-MT) deverá emitir as normas contendo as especificações dos produtos e objetos permitidos e não fornecidos pela administração.

Cerca de 50% do lucro líquido deverá ser encaminhado ao Conselho da Comunidade, para a utilização em projetos de assistências material, de saúde e educação dos reeducandos. Outros 15% devem ir para a Fundação Nova Chance para projetos de ressocialização e 35% deverá ser destinado ao Fundo Penitenciário.

Gestão dos minimercados

Conforme o projeto, a partir da autorização para uso do espaço, o Conselho da Comunidade terá 60 dias para formatar o regulamento para a aquisição de produtos, dando publicidade ao documento e com cotação mínima em pelo menos dois estabelecimentos comerciais do município da unidade prisional.

Quando do envio da mensagem do governo à AL, o Sindicato dos Agentes Penitenciários afirmou que, atualmente, os presos revendem produtos dentro das unidades com preços superfaturados. Para evitar isso, a margem dos lucros a serem cobrados por produtos, de acordo com a proposta, não pode exorbitar a 25% do valor de compra.

De acordo com o texto da proposta, o Termo de Permissão de Uso será firmado tendo por base a legislação vigente e conterá o prazo e a especificação completa e detalhada do espaço a ser utilizado para venda de produtos e objetos permitidos e não fornecidos pela administração prisional.

De bolacha a isqueiro

No ano passado, o Ministério Púplico Estadual (MPE) instaurou um inquérito civil para investigar possíveis irregularidades nas cantinas e mercadinhos instalados nas unidades prisionais de Cuiabá.

A situação investigada pelo MP já foi apontada em uma reportagem em 2015, quando a situação de mercadinhos que funcionavam sem regulamentação dentro de unidades penitenciárias de Mato Grosso.

Na ocasião, a Sejudh admitiu a existência dos mercadinhos em seis unidades prisionais, sendo uma delas a Penitenciária Central do Estado (PCE), no Bairro Pascoal Ramos, em Cuiabá, considerada a maior do estado.

Nesses mercados, os presos podiam adquirir desde bolachas e cigarros até lâminas de barbear, óleo de cozinha e isqueiros. Familiares de detentos seriam, inclusive, proibidos de levar determinados itens que seriam vendidos nesses locais.


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*