Senadora se compara a Maria Madalena, diz que advogados são meliantes e que OAB ‘compõe o circo’

A senadora Selma Arruda (PSL) partiu para o ataque ao defender o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual, que foi apontado por policiais militares como autores de escutas ilegais no caso que ficou conhecido como Grampolândia Pantaneira, e para se defender de uma acusação do cabo Gérson, operador das escutas, dando conta de que Selma teria criado uma investigação fictícia para justificar escutas contra o ex-governador Silval Barbosa e o ex-deputado José Riva quando era juíza titular da 7ª Vara Criminal de Cuiabá. A ex-magistrada escreveu um artigo de opinião negando a fala do policial, dizendo que existe “meliantes travestidos de advogados” e atacando duramente a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Mato Grosso.

Para organizar a linha de raciocínio e buscar simpatia dos mato-grossenses, Selma, que já teve o apelido de Sérgio Moro de Saias, disse que o GAECO sofre ataques públicos semelhantes ao que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, sofre em relação à invasão do seu telefone celular no caso conhecido como Vaza Jato e traçou um paralelo entre as duas situações, denominando-se de “Madalena pantaneira”. No artigo, Selma diz que “um tal Cabo Gérson” consegue ditar o ritmo processual ao dar inúmeras versões e envolver o Gaeco e a ela “nas suas maracutaias”.

“Passou a acusar promotores de justiça de terem feito grampos ilegais em investigações que tramitaram na 7ª. Vara Criminal. Disse até que se criou uma investigação fictícia sobre ameaça sofrida por mim, visando bisbilhotar a vida de Silval Barbosa e de José Geraldo Riva. Mas aí vem a pergunta: era necessário inventar alguma coisa para interceptá-los, já que eram réus investigados e processados naquela vara? Se foram interceptados ou não por este motivo, não sei. A investigação não correu sob meu comando, até porque eu era a vítima. De qualquer forma, assim como está ocorrendo na Lava-Jato com a tentativa de desmoralizar Moro e Dallagnol, aqui em Mato Grosso querem usar esse tipo de subterfúgio para desacreditar o Gaeco e a Juíza Selma Arruda”.

A senadora também partiu para cima dos advogados chamando-os de “meliantes travestidos” que trabalham para “organizações criminosas poderosíssimas” unidas para manter a impunidade. “O fato é que o Gaeco tem sofrido ataques de toda sorte, ora vindos de meliantes travestidos de advogados, cujas teses mirabolantes são formuladas de modo a encontrar destinatários certos no Judiciário, ora de outros biltres, cooptados pelas organizações criminosas, assim como ocorre no caso dos hackers a que me referi acima”, disse.

Além dos advogados, Selma Arruda investiu contra a OAB que “faz questão de compor o circo, como se não fosse público e notório o interesse de alguns de seus membros na anulação das operações, tanto da Lava-jato como em Mato Grosso. A OAB até agora omitiu-se no combate aos corruptos. Agora, se levanta na defesa desses criminosos e, agindo por interesse próprio, acaba enchendo de lama os nomes de muitos advogados honestos, que sequer foram consultados a respeito”.

Outro lado
O presidente da OAB em Mato Grosso, Leonardo Campos, disse ao Só Noticias, que recebeu o artigo com perplexidade e decepção pela manifestação ter vinda de uma ex-magistrada que, ele acredita, deve ter conhecimento acadêmico suficiente para respeitar a Ordem e não imputar aos advogados as acusações existentes contra os respectivos clientes. “Não aceitamos e repudiamos a acusação de que existem meliantes travestidos de advogados. Meliantes são meliantes, advogados são advogados e advogados merecem respeito”, pontuou, acrescentando que a OAB vai emitir uma nota mais ampla em defesa dos advogados.

fonte: Só Notícias/Marco Stamm, de Cuiabá (foto: Só Notícias/arquivo)


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*