Sinop-MT: travessia por balsas na MT-220 devido a obras em ponte estão prejudicando produtores, critica Aprosoja

O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja), Antônio Galvan, criticou hoje, em entrevista, ao Só Notícias, a empresa contratada pela Usina Hidrelétrica Sinop para fazer a travessia de caminhões e carretas carregadas com soja por balsas, no rio Teles Pires, ‘na ponte da Marina’ na MT-220 (Sinop-Juara), que passará por uma elevação de 70 centímetros por conta do aumento no nível do rio devido ao enchimento do reservatório da empresa. A travessia por balsa começou na última segunda-feira e há criticas devido a demora e longa espera. “Essa situação está insustentável. Não tem como aceitar a forma que a usina colocou lá essa balsas. Não fizeram um planejamente e não estão conseguindo dar o fluxo necessário para passagem dos caminhões carregados e os que estão indo até as propriedades para carregar. Estamos em plena colheita e não há possibilidade do produtor continuar aceitando isso. Mesmo com as duas balsas não estão dando conta”, disse Galvan

O presidente da Aprosoja apontou ainda que, se a Usina Hidrelétrica não resolver o problema, os produtores correm o risco de perder a produção de milho que ainda será colhida. “Tem pelo menos 10 quilômetros de filas de caminhões de cada lado do rio. O trabalhador está ficando até 20h parado para conseguir passar. Isso vai causar danos econômicos seríssimos. Tem muita soja para ser retirada e milho para ser colhido. Os produtores não estão tendo  o fluxo necessário no transporte. É preciso uma solução rápida ou o produtor vai acabar perdendo a produção”.

A previsão da empresa é que as obras durem até agosto. Uma das balsas é usada exclusivamente para veículos leves e outra para veículos pesados. Ambas as balsas estão funcionado 24 horas e não está sendo cobrada pela passagem.

Outro lado
Só Notícias tentou mas ainda não conseguiu contato com assessoria da Usina Hidrelétrica Sinop.

fonte: sonoticias


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*