USP inicia testes, em animais, de vacina brasileira contra o novo coronavírus

Vacina, Covid-19

Vacina contra a Covid-19 testada por pesquisadores da USP busca identificar imunizante rápido e duradouro contra a doença

13:58

Vacina, Covid-19

Vacina contra a Covid-19 testada por pesquisadores da USP busca identificar imunizante rápido e duradouro contra a doença

Foto: Dado Ruvic – 22.mai.2020/ Reuters

Pesquisadores do Instituto do Coração (InCor) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) começaram a testar, em camundongos, uma potencial vacina contra o novo coronavírus.

O objetivo dos estudos é identificar um imunizante capaz de produzir uma resposta rápida e duradoura no sistema imunológico dos animais. A pesquisa é apoiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

“Já conseguimos desenvolver três formulações de vacinas que estão sendo testadas em animais. Em paralelo, estamos formulando diversas outras para identificar a melhor candidata”, disse Gustavo Cabral, pesquisador responsável pelo projeto, à Agência Fapesp.

Para o desenvolvimento do projeto, serão usadas partículas semelhantes a vírus (VLPs, na sigla em inglês). Elas possuem características próximas às de peptídeos e proteínas de vírus, como a de superfície do SARS-CoV-2 – chamada spike –, e, por isso, são facilmente reconhecidas pelas células do sistema imune.

No entanto, as VLPs não têm material genético do patógeno, o que as torna seguras para o desenvolvimento de vacinas. Com o intuito de permitir que sejam reconhecidas pelo sistema imunológico, elas são inoculadas juntamente com antígenos – substâncias que estimulam o sistema imune a produzir anticorpos.

Assista e leia também:

Pesquisadores avaliam testes de vacina da Covid-19 no Brasil

Vacina contra Covid-19 pode exigir duas doses, diz diretor de agência dos EUA

Dessa forma, é possível unir as características das VLPs com a especificidade do antígeno. “Com essa estratégia é possível direcionar o sistema imunológico para reconhecer as VLPs conjugadas a antígenos como uma ameaça e desencadear a resposta imune de forma eficaz e segura”, disse o pesquisador.

Desenvolvimento da pesquisa

Nos primeiros ensaios, as vacinas serão aplicadas nos camundongos em diferentes concentrações. A cada semana será colhida uma amostra do plasma destes animais para analisar a produção de anticorpos produzidos. Este processo será realizado durante meses e, após o acompanhamento das respostas, será possível identificar qual formulação de vacina, e em que concentração, é capaz de induzir a imunidade ao longo do tempo e neutralizar o vírus.

Além disso, a quantidade de doses das possíveis vacinas, alvo de debate entre especialistas no mundo todo, pode ser identificada com a supervisão do processo envolvendo os roedores. “Esse acompanhamento contínuo também permitirá sabermos quantas doses da vacina serão necessárias para conferir imunidade”, explicou Cabral.

A formulação que apresentar o melhor desempenho em termos de indução de resposta imunológica será injetada em camundongos transgênicos, que carregam o receptor das células humanas com o qual a proteína spike do SARS-CoV-2 se liga. O objetivo é avaliar por quanto tempo a vacina confere imunidade e se é segura para a realização de testes em humanos.

A expectativa dos pesquisadores é que os testes sejam concluídos até o final deste ano. “Estamos sendo muito cuidadosos com a realização dos testes e tentando responder ao máximo de questões possíveis para conseguirmos avançar com o rigor necessário no desenvolvimento de uma vacina realmente eficaz contra a Covid-19”, afirmou Cabral.

“Além da vacina, também estamos produzindo conhecimento e uma plataforma tecnológica que poderá ser útil para o desenvolvimento de vacinas para outras doenças, como a causada pelos vírus zika e chikungunya”, completou.

Fonte: Cnn


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*