Aves e suínos: criadores de Mato Grosso estão entre plantar milho e diminuir plantel

Custo alto para adquirir do cereal e a escassa oferta dele ameaçam a permanência de avicultores e suinocultores na atividade

Por Pedro Silvestre

A produção de milho em Mato Grosso deve cair 1,3% em relação à safra passada, totalizando 34,97 milhões de toneladas, de acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Na contramão, a demanda pelo cereal deve crescer 16,33%, chegando a 11,57 milhões de toneladas.

De acordo com o gestor de Inteligência de Mercado do Imea, Cleiton Gauer, a expectativa era de um crescimento de quase 18% na demanda frente à temporada 19/20, mas houve um ajuste. “Basicamente, esse reajuste foi puxado pela reorganização das expectativas de demanda para o esmagamento de milho, e também pelo consumo interno para a alimentação animal”, conta. Gauer diz que com a valorização do cereal em Mato Grosso, pecuaristas têm procurado alternativas para a ração.

Com mais de 45% das lavouras semeadas fora da janela ideal e sob risco climático, a projeção para a produtividade média das plantações do estado foi reajustada para baixo. “Ainda seria a maior safra da história, mas a gente sabe que tem a maior parte desse milho comercializado, então é importante acompanhar e monitorar esse clima para as próximas semanas”, diz Daniel Latorraca, superintendente do Imea.

Custo do milho preocupa setor de proteína animal

A nova projeção preocupa o setor de proteína animal do estado. A avicultura já sente os reflexos no custo de produção e pode diminuir a oferta de carne e ovos ao consumidor. “O milho já está em R$ 80 a saca na média. No ano passado, estava R$ 40. Só que no ano passado, o ovo estava em R$ 80/R$ 90 a caixa. Hoje, ainda a R$120/R$ 130. Teoricamente a caixa de ovo era para estar entre R$ 150 e R$ 170”, diz o vice-presidente da Associação Mato-Grossense de Avicultura (Amav), Tarcísio Schroeter.

Por conta disso, as granjas estariam tomando prejuízo e a única solução é diminuir a produção. “Vai reduzir plantel de frango de corte, de aves de postura, e o mercado vai ter que se adequar. A nossa esperança é que tenha mais oferta de milho, continuando a chuva em abril e maio pelo menos”, diz.

A suinocultura também sofre os impactos da valorização do cereal e teme falta do produto no mercado interno, segundo o presidente executivo da Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Custódio Rodrigues. Alguns produtores já cogitam arrendar áreas para cultivar o cereal e garantir o alimento dos animais.

“O governo federal não tem mais estoque de milho, e nem vai mais fazer estoque de milho pela Conab. Provavelmente o custo de produção deve aumentar um pouco mais ainda em função dessa falta. Achar esse milho no mercado está sendo difícil já, e o produtor descapitalizado como está, se não houver um entendimento entre governo e produtores, para que se organizem para ter esse milho, para comprar antecipado, isso vai dar um impacto muito grande em um curto espaço de tempo. Provavelmente nós teremos produtores principalmente os pequenos que devem sair da atividade em função desse custo tão alto”, diz.

 

Fonte: Canal Rural


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*