Para tentar conter crimes no campo, sindicatos de Mato Grosso oferecem até recompensa

MAIS SEGURANÇA

Segundo relato do diretor da Aprosoja-MT, além dos roubos e furtos, criminosos também praticam sequestros em áreas rurais

POR PEDRO SILVESTRE, DE CUIABÁ (MT) – ATUALIZADO EM 30/08/2021

Em Mato Grosso, o aumento de crimes no campo, como roubos e furtos, causam insegurança e muda rotina dentro das propriedades rurais do estado. Alguns municípios adotaram como medida de intimidar as ações criminosas o pagamento de recompensa ao informante.

Em Canarana, região nordeste do estado, foram dois registros de furtos: uma plataforma de 13 metros de largura de 24 linhas e 100 toneladas de adubo. Na semana seguinte, em Querência, município vizinho, mais uma ocorrência com as mesmas características.São casos frequentes, que aumentam a insegurança na região.

“Realmente a gente não dorme muito bem à noite, não. Tem que ficar com um olho aberto e outro fechado, e isso está nos causando muito transtorno. Tivemos que instalar câmeras na propriedade e investir para melhorar o sinal da internet. A gente toma algumas precauções à noite porque, se realmente alguém invadir, você ter uma maneira de se esconder ou avisar a polícia”, diz o diretor executivo da Federação da Agricultura e Pecuária do estado, Marcos da Rosa.

O diretor da Aprosoja-MT, Valmor Scariote, relata a ação violenta de criminosos da região.

“Antes a gente colocava câmeras e alarme na casa dos defensivos e nos depósitos. Mas hoje o que a gente observa são drones sobrevoando algumas propriedades à noite, o que é muito preocupante. Sem falar do fato de eles estarem sequestrando as pessoas, fazendo reféns. Quando se sai ileso sem perder a vida, a gente agradece”, conta.

O aumento de crimes no campo na região motivou o sindicato rural de Canarana a criar um disque p-denúncia. Dessa forma, tenta-se estimular que sejam passadas informações sobre ladrões em áreas rurais.

“Estamos ofertando R$ 5 mil de prêmio para quem ligar e denunciar, ou der qualquer paradeiro, seja do criminoso ou da mercadoria. A informação tem que ser quente e precisa, a identidade dessa pessoa será mantida em sigilo. Será feita a filtragem da denúncia e repassada à Polícia Civil. Vale para qualquer crime que aconteça na área rural, seja roubo de gado, de maquinários, defensivos ou implementos”, destaca o presidente do sindicato rural de Canarana, Alex Wish.

O sindicato rural de Sorriso adota o programa de denúncias de crimes rurais desde 2019. As retribuições por denúncia têm amparo na lei estadual 11.078 de 2020, embasada na federal 13.608 de 2019, que trata sobre o pagamento de recompensa por informações que ajudem os órgãos de segurança estaduais nas investigações criminais.

“É um bom caminho até para a polícia investigar. É claro que as autoridades têm sido ágeis e atentas, mas esse tipo de programa pode ajudar em uma maior rapidez na investigação para que a polícia chegue em quem está fazendo os roubos e até a quem está recebendo as mercadorias furtadas”, diz Marcos da Rosa.

Outras ações contra crimes no campo

O projeto monitor de disk denúncia da Aprosoja-MT e a patrulha rural de iniciativa da Famato são outras duas ações conjuntas entre o setor produtivo do estado e a Secretaria de Segurança Pública para ajudar a inteligência da polícia a trabalhar mais assertivamente no combate aos crimes no campo.

“O objetivo é cada vez mais padronizar e evoluir com esse tipo de policiamento, com intuito de aproximar o cidadão de bem, o cidadão do campo da polícia militar e inserir essa população rural na segurança pública”, afirma o tenente-coronel da Polícia Militar de Mato Grosso Gleber Cândido.

Ao fazer uma análise no número de crimes no campo, a Secretaria de Segurança Pública destaca que, de janeiro até julho deste ano, houve redução nos números de roubo. Mas também registrou-se um salto de 11% nos casos de furto em propriedades rurais do estado: foram 1.261 ocorrências contra 1.134 no comparativo com o mesmo período do ano passado.

“Nós iniciamos no mês de junho um policiamento mais efetivo no campo, a operação Campo Seguro, que perdurará até o fim do ano, acompanhando o calendário do agronegócio em Mato Grosso. Em jornadas de sete dias, vamos aumentar o policiamento na zona rural. Consequentemente, nós iremos reduzir todos os índices de crimes no campo, principalmente os índices de roubos e furtos”, ressalta o tenente-coronel Cândido.

“Os valores dos insumos dobraram, e o valor dos produtos que a gente colhe também dobrou no mercado e isso dá um bom volume de dinheiro, é isso que atrai. Mas o grande problema não é quem rouba, é quem compra, recepta esses produtos, e não é um dono de farmácia, de construção de obra. Isso aí tem que ir para dentro de uma propriedade rural para a produção e os próprios grãos, é isso que é mais dolorido. Você saber que o seu produto está saindo da sua propriedade e indo para uma propriedade de um colega teu”, desabafa o diretor da Famato, Marcos da Rosa.

A Aprosoja-MT disponibiliza um número de celular para que os produtores possam enviar denúncias de crimes no campo via mensagem de texto (SMS) ou Whatsapp, (65) 99811-2033. O telefone do disk denúncia de Canarana é (66) 99227-0369.


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*