Peste suína africana: China diz que doença está estável, mas riscos persistem

PERIGO CONTINUA

Desde o início deste ano, um total de 11 surtos de peste suína africana foi oficialmente reportado no país e mais de 2 mil animais foram sacrificados

O Ministério da Agricultura da China informou que tem feito esforços para controlar a peste suína africana em seu rebanho, mas os riscos persistem. Desde o início deste ano, um total de 11 surtos de peste suína africana foram oficialmente reportados no país, envolvendo 8 províncias, com 2.216 animais sacrificados.

“A situação da epidemia é estável, mas os riscos persistem”, afirmou a autoridade do departamento de pecuária do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais, Xin Guochang. Segundo ele, a prevenção é “complicada”. “Recentemente surgiram novas cepas com virulência enfraquecida. Os sintomas apresentados são leves, mas o período de incubação é longo e a detecção em curto prazo é difícil”, disse Xin.

Em 2018, a febre suína africana dizimou o rebanho suíno no país asiático, que, desde então, está sendo recomposto. No segundo trimestre deste ano, os chineses produziram o maior volume de carne suína dos últimos sete anos, segundo o banco alemão Commerzbank. A produção foi 40% maior em relação ao ano anterior, alcançando, no semestre, 27 milhões de toneladas, avanço de 36% em comparação com o mesmo período de 2020.

Segundo dados do Ministério da Agricultura, frigoríficos abateram 22 milhões de cabeças em junho, um aumento de 66% com relação ao ano anterior. Com a recuperação da produção de suínos, aumentou o consumo de milho, importante ingrediente de ração animal, e elevou os preços do grão.


Por Estadão Conteúdo


Comentários

Publicidade de Exemplo

Veja Também

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*